Fortaleza tem missão difícil e busca fazer história em Alagoas

Foto: Juscelino Filho

 

O Fortaleza entrou em campo no último sábado – 14/10 – contra o CSA e não conseguiu um resultado positivo. Na presença do seu torcedor, o Tricolor cearense não iniciou bem e perdeu no placar de 2×1. Diante de um mega-mosaico, erguido pelos 45 mil torcedores que foram até a Arena Castelão, o Fortaleza apesar da sua maior posse de bola, tomou dois gols e agora tem uma difícil missão: reverter o placar fora de casa.

Com um primeiro tempo pegado, aos 40 minutos da primeira etapa Dawhan cruzou pela direita e Michel Douglas abriu o placar na Arena. Após o gol, o Tricolor de Aço teve algumas chances com Jô, Leandro Lima e Pablo, que para o azar do time cearense, não conseguiram balançar as redes do goleiro Mota. No início do segundo tempo, Ronny entrou para a saída de Hiago, mas a substituição não teve muita efetividade. Mesmo com o início disputado, o clube alagoano teve mais uma boa chance aos 17 minutos e em um contra-ataque Daniel Costa cruzou a bola que foi nos pés de Pablo, marcando um gol contra. Após mais algumas substituições, o Leão pressionou e conseguiu chegar ao seu único gol da partida aos 43 minutos, com Gabriel Pereira.

Com o resultado, o Fortaleza enfrentará o CSA neste sábado – 21/10 – no estádio Rei Pelé às 18h com a missão de ganhar por dois gols ou mais de diferença, ou repetir o resultado do CSA para que a partida seja decidida nas penalidades. O Fortaleza viaja amanhã para a capital alagoana e tem um desfalque, o atacante Jô que cumprirá suspensão automática após receber o terceiro cartão amarelo. O elenco treina às 16 horas da sexta-feira em Maceió.

 

O clube cearense espera fazer história, já que o clube já foi finalista das divisões A, B e C do campeonato brasileiro. Com dois vices em 1960 e 1968 na Taça Brasil – Série A -, um para o Palmeiras e o outro para o Botafogo, respectivamente. Mais duas grandes campanhas e finais na Série B de 2002 e 2004 e, sábado mais uma decisão, em busca do primeiro título nacional.

Comentários